Mais uma página

quinta-feira, abril 12, 2007

Venho de longe, venho fatigado …
Trago no rosto a marca da distância …
Transportou-me a saudade à minha infância,
Ao tempo em que vivia descuidado.

Tentei voltar a ver o sol ardente
Que iluminava a minha mocidade,
E apenas vi a ténue claridade
Dum lívido e nostálgico poente.

Quis abraçar as ilusões de então …
De novo, quis ouvir a melodia
Que a harpa da quimera me tangia,
Quando era alegre, e moço, o coração !

Amor não tinha … E agora que acordou
O coração, há tanto adormecido,
Ando sem norte, náufrago perdido,
No mar de dor que o sonho me deixou !

Venho cansado, venho de tão longe…
Fui relembrar a vida que vivi,
A desfiar, qual solitário monge,
Rosários de venturas que perdi ! …

José Maria Lopes de Araújo

9 Comments:

Enviar um comentário

<< Home